quinta-feira, 29 de abril de 2010

Citações 3

A @setpalavras está fazendo um concurso cultural em comemoração ao Dia do Livro: Por que os livros são fascinantes? Faça sua frase!

Desde que vi, fiquei pensando no que escrever. Mas não deu. Porque só me vinha à cabeça uma frase de Guilherme de Baskerville em O Nome da Rosa, de Umberto Eco:

O bem de um livro está em ser lido. Um livro é feito de signos que falam de outros signos,os quais por sua vez falam das coisas. Sem um olho que o leia, um livro traz signos que não produzem conceitos, e portanto é mudo.

Fala sério... tem explicação melhor do motivo pelo qual os livros são fascinantes? Perdão, @setpalavras, Umberto Eco já disse tudo que eu queria dizer.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Direto do túnel do tempo

Enquanto estou aqui, presa no aeroporto de Congonhas, esperando a hora de voltar pra BH, tive tempo de sobra pra lembrar de São Paulo.

Minha família vinha a São Paulo pelo menos uma vez por ano. Pra ver os avós paulistanos, a tia e o primo. Era quase um período de engorda. Vovó fazia mil pães e massas diferentes, como boa descendente de italianos. Era comida que não acabava mais. Ainda lembro do cheiro do bolinho frito que ela fazia de tarde, salpicado com canela e açúcar. Uma delícia sem par.

Hoje passei de táxi perto do supermercado Pastorinho. Deu saudade da vovó, aquela figurinha, baixinha, gordinha, com a pele bem clara e o cabelo bem escuro, carregando as sacolas das compras que fazia lá. Me lembro dela caminhando na rua, indo para o Pastorinho. E dentro de casa, atarefada, falando que precisava ir lá comprar alguma coisa. Inevitável ver o mercado e não lembrar dela.

Vi de novo a rua onde a minha família paulistana mora. Fui ao prédio e vi a fachada, o sinal de trânsito que atravessávamos correndo, a entrada do metrô. Deu saudade daquele tempo.

O engraçado é que eu lembrava de um prédio bem maior. De uma rua bem mais larga. De uma amplidão que não existe mais. Ou só existe na minha memória.

Os avós já não estão lá faz muito tempo. Hoje, só a tia e o primo. Mas não os vi. Passei correndo, deixei um bilhete manuscrito com o porteiro. E levei lembranças que achei que não tinha mais. Ficou a vontade de voltar com calma, parar de novo naquela rua, chamar o interfone do apartamento e subir. Mesmo que não tenha mais bolinhos fritos durante a tarde.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Perspectiva

Morar numa cidade universitária tem suas peculiaridades. Os calouros, chamados bixos, andando feito doidos na cidade, no começo de cada semestre; as festas, que às vezes são divertidas e outras incomodam; os ventos nas repúblicas... só vendo - e vivendo pra saber.

Como moro perto de um monte de repúblicas, vejo muitos estudantes pela rua no meu caminho diário.

Hoje, três garotas subiam a rua. Conversavam sobre formatura. Uma delas disse:

- Eu tô doida pra formar. Pra voltar pra baixo da saia da minha mãe!

E o Leo, ácido, foi logo retrucando:

- Isso é que é perspectiva!

domingo, 18 de abril de 2010

No Bené

Já falei aqui do Bené da Flauta Restaurante e Café. Eu adoro.

Sábado teve a apresentação do saxofonista americano Harvey Wainapel, junto com o Elotrio. Foi ótimo. Além de tudo de bom que o Bené tem, a música foi maravilhosa.



Leo e eu lá, curtindo a noite

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Vacina

Aconteceu que eu furei a fila da H1N1. A minha faixa etária foi deixada de lado e por pouco não perdemos a vacina. A data certa é a partir de 10 de maio. Mas hoje eu fui ao posto e pude tomar a vacina antes da hora.

Estava lá, feliz e contente, sentadinha pra receber a vacina. A mocinha do posto fez os procedimentos de costume. Na hora da agulhada, aquele incômodo de sempre. Até que ela me deu um cutucão com a agulha. Aí veio uma dor incomum na vacinação.

- Bracinho duro, heim? - ela disse.

- E olha que eu nem faço musculação - retruquei, querendo dizer coisa pior, que a educação não deixou.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Chocolates

Um dia, ela foi embora. deixou saudade e uma promessa não cumprida (eu não ia deixar de comentar, né?). Quando ela voltou, trouxe uma coisinha linda pra mim. Linda e gostosa. Que eu não paro de olhar, ainda sem coragem de dar umas mordidinhas.


Moça que me trouxe chocolates belgas, muito obrigada. Minha vida ficou, sim, mais doce com eles.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Das antigas

Vi no blog da Bonitona Encalhada. Me lembrou tanta coisa...

Caderno de viagem

Uma das coisas mais legais da vida é viajar. Quer dizer... eu não gosto muito da viagem em si, mas de estar em outros lugares. Não gosto do deslocamento, mas gosto de sair, ver outros lugares, conhecer outras gentes, ouvir outras histórias.

Em cada viagem que faço, aprendo uma coisa nova. E gostaria de registrar tudo. Nem sempre dá tempo, nem sempre dá certo.

Em maio, parto pra uma nova viagem. Um lugar que há 20 anos me convida a voltar. E quero deixar registrado o máximo de coisas possíveis. Desde o preparo da viagem até tudo o que fizer lá.

Para começar em grande estilo esses registros, comprei um moleskine, daqueles que sempre quis ter. Se der, compartilho aqui o que farei lá na Ilha. E em outros lugares, em outros tempos.