sábado, 29 de janeiro de 2011

A família mais linda do mundo

Volta e meia eu falo que a família do Leo é a mais legal do mundo. E é mesmo. Todos os descendente da D. Lídia são incríveis. Quando todos estão reunidos é uma festa só.

Mas hoje é dia de falar da família da vovó, a mais linda do mundo (sim, eu sou hiperbólica).

A família começou quando meu bisavô, Camillo, passeando a cavalo, encontrou um amigo que ia, animado, pedir a mão da Adelina. Camillo desejou boa sorte, pegou um atalho, chegou lá antes e pediu a mão da donzela. Quando o amigo chegou, mais que depressa pediu desculpas e ofereceu a ele a mão da irmã. Todo mundo ficou bem e da união de Camillo e Adelina a família da vovó começou.

Foram 13 filhos, parte das mulheres com apelidos que as acompanham por toda a vida: Maria da Conceição (Zizinha); Geraldo; Antonina (Tuíca); José Pedro (que depois viria a ser o Padre Mendes); Maria Aparecida (Nazinha); Maria Joana (Zina, a vovó); Antônio; Sebastião; Antonino; Maria das Dores; Jésus; José Raymundo e Maria Terezinha.

Quando eu nasci, as tias Zizinha e Maria Terezinha já tinha morrido. Depois, também morreram os tios Geraldo, Antônio, Padre Mendes (meu padrinho, que eu sempre chamei de Padrinho mesmo), Tuíca e Nazinha. Com ou sem eles, é a família mais linda do mundo.

Sabe um monte de irmãos que nunca brigam? Que se amam acima de tudo? Que passam por cima de qualquer coisa em favor da unidade e da harmonia? Eu só vejo isso na família dela. É tão engraçado que parece que eles nem têm os problemas normais de família. Se têm, deixam em segundo plano para que o amor fique em primeiro. Não é um amor traduzido em beijos, abraços e carinhos - eles são muito econômicos em termos de carícias - mas em atenção extrema, em ouvido atento, em muita compreensão. Eles estão sempre em contato, um se preocupa com o outro, vivem em uma harmonia de dar inveja.


Tio Jésus, Vovó, Tio Zé Raymundo, Tio Antonino e Tia das Dores

A foto acima é um exemplo do amor que une essa família. Foi tirada no dia 4 de setembro de 2007, pelo Leo. Não era um dia feliz. Era o velório da irmã deles, a Tia Tuíca. Certa hora, vieram todos almoçar aqui em casa e resolvemos tirar a foto, já que fazia tempo que eles não se reuniam quase todos (faltam o Tio Sebastião e a Tia Nazinha, que morreria cinco meses depois). A tristeza com a morte da irmã era muito grande, tanto quanto a alegria do reencontro.

Não é a família mais linda do mundo? E eu fico muitíssimo grata por fazer parte dela. Em especial, pelo contato próximo com os dois mais lindos (além da vovó, claro!), os tios Jésus e Maria das Dores. Lindos!