sábado, 9 de julho de 2011

Coisas pra fazer

Começou com este post da Intense. Depois veio o da Bel. Deu vontade de fazer igual (essas duas têm o poder de me contaminar!). A ideia é riscar da lista abaixo o que já se fez. Como a Bel fez, vou comentar algumas delas. 



01. Pagar uma bebida aos amigos. Já perdi a conta de quantas vezes fiz isso, e adoro.
02. Pegar num tubarão. Nunquinha. Nem sei se terei coragem um dia
03. Dizer “eu te amo” sentindo amor de verdade. Leo é quem escuta mais, mas já falei pra tanta gente...
04. Abraçar uma árvore. A goiabeira daqui de casa. E o limoeiro da Tia Ylza
05. Achar que vai morrer. Lembro até do dia, durante minhas hemorragias mais fortes
06. Ficar acordado a noite inteira e ver o nascer do sol. Uma vez pra nunca mais, enxaqueca na certa na sequência.
07. Não dormir por 24hrs. Idem para a resposta anterior. Enxaqueca do caramba depois.
08. Cultivar e comer os teus próprios vegetais. Cultivar é coisa que não consigo fazer. Mas como o manjericão que o Leo plantou no jardim de casa.
09. Dormir sob as estrelas. Hummm... passo.
10. Mudar a fralda de uma criança. Várias do meu irmão mais novo.
11. Ver uma estrela cadente. Na casa do Matheus e da Lola, sob um céu maravilhoso.
12. Ficar embriagado. Foi uma vez só. Bebi sem saber que tinha álcool na coca. Não sei como cheguei em casa e nem como a enxaqueca do dia seguinte passou.
13. Doar coisas pra caridade. Sempre.
14. Olhar para o céu e achar o cruzeiro do sul. Sempre também. Desde que li Viagem no céu, de Monteiro Lobato.
15. Ter um ataque de riso na pior altura possível. Já aconteceu. Melhor nem lembrar.
16. Fazer uma luta de comida. Não que eu me lembre. Também não sei se farei.
17. Apostar e perder. Já ganhei e já perdi. Parei de apostar quando perdi vergonhosamente para o Leo. Melhor não comentar.
18. Convidar um estranho para sair. Heim?
19. Fazer guerrinha de papel. Básico pra quem teve infância, né?
20. Gritar o mais alto que puder. Competição de grito no playground, rolava sempre.
21. Pegar num cordeiro. Copiando a Bel, sou urbana, né?
22. Andar de montanha russa. Quando era mais nova. Mais uma coisa que engatilhava uma enxaqueca
23. Dançar como um louco e não se preocupar se estão olhando. Algumas vezes. Poucas, na verdade.
24. Falar com sotaque por um dia inteiro. Quando morei no Maranhão, incorporei o sotaque por um ano. E ainda falo séssenta.
25. Estar mesmo feliz com a tua vida. Nos últimos 10 anos, é uma constante.
26. Ter dois hard drives para o computador. Já tive. Hoje, só um no note e um externo.
27. Conhecer o teu país. Conheço uns pedacinhos, pode ser? 11 estados tá de bom tamanho?
28. Cuidar de alguém embriagado. Melhor não comentar. Já fiz muito.
29. Ter amigos fantásticos. Tenho. Praticamente todos são.
30. Dançar com um estranho. Fiz naquela vez que fiquei bêbada por acaso.
31. Roubar uma placa/sinal de trânsito. Não. Roubar não é lá uma coisa que me seduza.
32. Fazer um passeio de noite na praia. Em São Luis, no Rio, em Porto de Galinhas... delícia!
33. Ficar de coração partido mais tempo do que se esteve realmente apaixonado. Todo mundo já fez isso, né? Quando eu era adolescente...
34. Sentar na mesa de um estranho num restaurante e comer com ele. E continuar sendo estranho. Só quando não tem vaga na praça de alimentação, e rola de pedir espaço na mesa de alguém estranho.
35. Imitar uma vaca. Era um tema constante durante a sétima série. Não vale a pena comentar mais.
36. Fingir que se é um super-herói. Deu pano pra manga... Laura e eu com lenços enormes amarrados no pescoço, subindo no telhado para pular de lá. Fomos salvas a tempo.
37. Cantar karaoke. Nunca. Nem quero.
38. Mergulhar. Parece uma coisa tão distante...
39. Beijar na chuva. Tão bom...
40. Brincar na lama. Infância!
41. Brincar na chuva. Coisa que faço até hoje
42. Apaixonar-se e não ficar de coração partido. É como vivo hoje. Apaixonada e sem coração partido.
43. Visitar locais ancestrais. Vontade não falta. Aveiro, aí vou eu!
44. Fazer uma arte marcial. Não oficialmente. Fiz judô na grama, do lado de fora, enquanto esperava meus irmãos saírem da aula deles.
45. Entrar num filme. Cuma?
46. Ser penetra numa festa. Não pretendo.
47. Ficar sem comer 5 dias. E viver de luz?
48. Fazer um bolo sozinho. Vivo fazendo. Não ficam uma maravilha, mas tô treinando bastante
49. Fazer uma tatuagem. Está nos planos. (update: eu fiz!)
50. Receber flores sem razão. Só por receber? Aconteceu mais quando era adolescente. Sou alérgica, prefiro não receber flores.
51. Representar num palco. Pagando mico na escola. Não levo o menor jeito pra isso
52. Gravar música. Noup. A humanidade agradece.
53. Ter um caso de uma noite. Uma só? Não.
54. Guardar um segredo. Guardo tantos... sou super confiável
55. Cantar bem alto no carro e não parar quando perceber que tem gente olhando. Esse é o tipo de mico que eu pago sempre
56. Sobreviver a uma doença em que se podia ter morrido. Sim.
57. Perder dinheiro. Perco de várias formas. Mas tem coisas mais importantes que dinheiro.
58. Cuidar de alguém com dor de cotovelo. Hahahaha, tempos de adolescência.
59. Fazer uma festa legal. Fazer é complicado, não tenho paciência pra isso não.
60. Partir o coração de alguém. Foi no 2º grau. Me arrependo horrores da forma.
61. Fazer um piercing. Já passei da idade, né?
62. Andar de cavalo. Não foi uma experiência muito legal em termos do estado das minhas pernas depois.
63. Fazer uma grande cirurgia. Algumas. Uma muito importante. Outras não eram necessidade, mas foram fundamentais.
64. Comer sushi. Nunquinha. Tem arroz, ééééca! Experimentei sashimi, mas não rolou sentimento.
65. Ter uma foto sua no jornal. Na época do lançamento da PUC TV, tenho todos os recortes #orgulhinho
66. Mudar a opinião de alguém sobre alguma coisa em que acreditas profundamente. Profundamente? Sei não. Superficialmente eu já fiz.
67. Fazer de um inseto um animal de estimação. Eu tive várias joaninhas durante o primário.
68. Selecionar um autor importante que não trabalhou na escola e lê-lo. Saramago é o favorito. Gabo está na lista também
69. Comunicar com uma pessoa sem partilharem uma língua comum. Já entrevistei surdos totais, que só se comunicavam em libras. E eu sem saber nada da língua.
70. Escrever a sua própria linguagem no computador. Cuma?
71. Pensar que está vivendo um sonho. Ô! Uma constante!
 72. Pintar o cabelo. Not yet. Meu cabelo nunca viu tinta. E vai demorar um pouquinho pra ver.
73. Ter relação com alguém do mesmo sexo. Respeito, mas não é a minha praia. O Leo me basta.
74. Comer meleca. Éca! Passo.
75. Salvar a vida de alguém. Ainda não.

Ufa! Me lembrou o Meme 30 dias, também puxado pela Intense e pela Bel, mas foi muito mais bacana de fazer.