sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

2017

Foi um ano louco e rápido. Passou tudo voando, uma coisa atrás da outra, muita coisa acontecendo. 

  • Terminei da dissertação, defendi, virei Mestra, tem até diploma emitido! Foi um trabalhão em volume e em desgaste emocional. Também em amor, tenho muito orgulho do que produzi. Meus agradecimentos a todos que estiveram comigo nesse período. Fiz amigos, na turma no mestrado, com meu orientador e sua família; reforcei laços com amigos de longa data também. A defesa, aquele momento tenso, foi muito especial;
  • Escrevi artigos, capítulos de livros, projetos. Terminei o ano lançando um livro organizado por mim e por colegas, na mesa de abertura de um congresso, dividindo a mesa com três professores da minha vida acadêmica: um da graduação, um da especialização e um do mestrado. Fiquei orgulhosa sim;
  • Teve banca de TCC sim! Muitas e todas muito bacanas. Adoro!;
  • Teve um convite de trabalho muito especial. Fiquei feliz e honrada, mesmo não podendo corresponder; 
  • Completei um ano de pilates! Desde a adolescência, não ficava tanto tempo fazendo uma atividade física externa;
  • Voltei pro QiGong, depois de um ano e meio parada. Sério, QiGong é vida!;
  • Li pouca literatura, mas no geral, foi muito bom: Tetralogia Napolitana (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), Vozes de Tchernóbil, O vestido, Sobre a escrita, Pequenas grandes mentiras, Fahrenheit 451, Um amor incômodo, A filha perdida, As três Marias, Dias de abandono. Um viva pra Elena Ferrante, que salvou meu ano literário!; 
  • Mas teve também aquelas leituras meio chulé: Livre, A garota na teia da aranha; 
  • E teve leitura acadêmica de várias formas. Só trouxe pro blog as menos puxadas: Tesouros enterrados de Lost, História do Lance!Net-ativismo, A produção do jornalismo esportivo na internet. Me recuso a falar das outras leituras acadêmicas, porque são densas demais. Ninguém merece vir aqui pra ver semiótica, teoria ator-rede, metodologias e quetais; 
  • Teve leitura beta também, de um dos melhores livros que li este ano, mas sobre o qual ainda não posso falar nada;
  • Terminei Gilmore Girls e não escrevi sobre isso. Voltei a ver Lost e AMO!!. Vi algumas outras sérias, como Strager Things 2, Mindhunter, Punho de Ferros, Os Defensores, 13 reasons wht, Gilmore Girls. Outras que não lembro;
  • Vi Blade Renner, versão do diretor e, no dia seguinte, Blade Renner 2049, no cinema. Fiquei louca com a sala confort, porque ninguém faz barulho; 
  • Acabei escrevendo pouco também, aqui pro blog. Especialmente entre setembro e outubro. Falta de tempo generalizada. 2017 foi o ano em que menos publiquei aqui, exceto 2009, quando ainda tinha o outro blog e não conseguia concentrar tudo;
  • Teve mini-férias delícia (aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui. Falta o resto, eu sei. Vou contando. 
  • Foi ano de dar "até logo" pra uma das pessoas mais importantes da minha vida. E, mais uma vez, me acostumar com aquela ausência que grita o tempo todo. Ainda estou me acostumando;
  • Foi um ano de muitas viagens e muitos reencontros. De sorrisos e abraços. E de sobrinhos! Teve muita gente linda por perto. Agradecimentos especiais aos que mais estiveram por aqui: Bruno, Luciana, Breno, Marcelo e Leandro; Ana Paula, Elias e Chico; Leo, Cris, Lucas e Hugo; Marcelo, Debora e Maria; Alan e Marcão; Aninha, Pedro, Bernardo e Gabriel; Vanessa, Ronan e Tomás; Stênio; Rosinha e Anabel; Mário. Relacionamento quase diário com esses queridões e muito, muito amor. 


O que eu queria em 2017 e que o que aconteceu:

  • mais automação nos processos do trabalho - Uhu!!! Caminho sem volta, com tudo fluindo muito bem. É das melhores coisas que consegui no trabalho, com muito investimento pessoal, muitas tentativas e erro e, no fim, muito sucesso. Felizona!; 
  • calma para terminar a dissertação - calma não teve. Mas teve fim da dissertação, teve defesa, teve diploma e teve tudo indo muito bem.
  • mais calma ainda para defender a dissertação - calma não teve, nunca tem. Mas fluiu. E foi uma defesa cheia de amor. 
  • um belo projeto pro doutorado. Ou melhor, três belos projetos pro doutorado, ao menos - só teve um projeto, e eu não gostei dele. Cheguei até a entrevista do doutorado e bati na trave por alguns motivos específicos. Meu orientador disse que o projeto estava ótimo, mas o fato de eu não ter gostado dele deve ter contribuído pra não ter passado. Mas não me importo, um dia eu passo. 
  • uma viagem bem legal pra comemorar o fim do mestrado e a abertura de novas possibilidades - teve, e foi lindo! Mesmo rápido, mesmo com o dólar nas alturas, foi uma das viagens mais legais da vida!
  • mais sala de aula! Como aluna ou professora, o que vier é lucro - teve só no segundo semestre, quando voltei pra Filosofia e fiz vários cursos online. 
  • mais amor no mundo - não está rolando, definitivamente. 
  • mais interpretação de texto - vixi… 
  • mais encontro com os amigos - rolou demais! Acho que foi o ano mais social da minha vida. E foi ótimo!
Se 2018 viver com tanta sintonia com os amigos, com tantas realizações pessoais, como foi 2017, vai ser lindo. 



_______________ 
Aline, que prefere ser chamada de Lile. Ou de Nine...